:: Caprinos BOER

O Boer constitui uma das principais linhagens que os criadores têm selecionado para corte.

As características específicas que tem sido melhoradas e que formam a base do padrão da raça Boer incluem: boa conformação, rápida taxa de crescimento, fertilidade e fecundidade altas, tipo e pelagem uniformes; além de grande rusticidade e adaptabilidade a várias condições de ambiente.

Características da Produção

Os caprinos geralmente não tem uma alta taxa de crescimento, quando comparados aos ovinos. No entanto, sob condições favoráveis, os caprinos Boer podem apresentar ganho em peso diário a uma taxa de mais de 200 g/dia. Cabritos provenientes de partos simples, quando submetidos a um plano nutricional adequado, podem atingir até 39,0 kg de peso vivo aos168 dias de idade e 65,0 kg aos 310 dias, com rendimento de carcaça de 51% e 56%, respectivamente. Em teste de performance de cabritos, na África do Sul, encontram pesos vivos, aos 100 dias de idade, de 23,6 a 32,3 kg para machos e de 19,0 a 27,8 kg para as fêmeas.


As fêmeas da raça Boer, em condições de manejo adequado, podem atingir a puberdade aos sete meses de idade. Elas são poliestrais, com o pico da atividade sexual ocorrendo de acordo com a estação de ano. Alguns estudos tem comprovado que os cabritos Boer podem acasalar com sucesso aos 180 dias de idade.

O valor econômico do Boer é em primeiro lugar, determinado por seus produtos carne e pele. A produção de leite da raça Boer é significativa, garantindo alimentação e desenvolvimento excelentes para suas crias e assegurando para as matrizes uma excepcional qualidade materna, cujas crias obtêm elevadas taxas de desmame (160% - 200%).

Carne

O Boer produz a mais alta percentagem de rendimento de carcaça entre todas as pequenas criações. Um peso de 38 - 43 kg de massa viva ao redor de 25 kg de carcaça é considerado o melhor peso de comercialização para caprinos jovens, geralmente entre 5 e 9 meses, quando apresentam carne saborosa, macia e atrativa em comparação com animais velhos, cuja carne é dura e de sabor desagradável.


:: Ovinos SANTA INÊS

A raça Santa Inês é resultado do cruzamento da raça Bergamácia, de origem italiana com a raça Morada Nova, animal criado no nordeste brasileiro.
Suas cores variam nos tons de vermelho, preto e branco, podendo ocorrer ou não, mistura dessas cores no animal. Têm corpos grandes, pernas compridas, orelhas pendulares e longas, e não apresentam chifres.
Os machos adultos pesam em torno de 80 quilos e as fêmeas em torno de 60 quilos.

Características da Produção

O Santa Inês é um ovino deslanado de grande porte; as fêmeas são ótimas criadoras, com alta fertilidade e prolificidade.
A presença de sangue de uma raça leiteira tornou as ovelhas Santa Inês ótimas produtoras de leite, e, em decorrência, excelentes mães, capazes de desmamar cordeiros muito saudáveis, com bom peso.
Apesar da influência do sangue de uma raça européia, a Santa Inês manteve a característica de rusticidade herdada da raça Morada Nova. São animais que suportam bem o manejo extensivo, com boa produtividade.
Mas a raça Santa Inês tem vantagem decisiva sobre as outras ovelhas. Ela não tem lã, esta raça é autenticamente brasileira.



:: Ovinos DORPER


A raça Dorper foi desenvolvida através do cruzamento da ovelha Blackhead Persian com o Dorset Horn que resultou no nascimento de alguns cordeiros Dorper totalmente brancos. A diferença na cor permite que o criador tenha a sua preferência. Cerca de 85% dos criadores de Dorper, membros da Sociedade de Criadores da Raça Ovina Dorper da África do Sul, criam o Dorper de cabeça preta.
A raça Dorper é, numericamente, a segunda raça mais criada na África do Sul e se espalha por muitos outros países.

Características da Produção

O Dorper é  um ovino produtor de carne, entretanto, suas exigências nutricionais não são tão altas. Esta raça tem uma estação reprodutiva longa, portanto, a estacionalidade não é um fator limitante para a produção.

A raça é fértil e a porcentagem de ovelhas gestantes após uma estação de monta é relativamente elevada. O intervalo entre partos pode ser de oito meses. Conseqüentemente, sob condições de boas pastagens e manejo adequado, a ovelha Dorper pode parir três vezes em dois anos. Uma porcentagem de parição de 150% pode ser alcançada em rebanhos bem criados e, em casos excepcionais, esta taxa pode ser de 180%. Sob circunstâncias extensivas, a porcentagem de parição é de 100%.

O Dorper é uma raça fácil de criar. Sua pele é coberta por uma mistura de pêlo e lã. A pele grossa protege os ovinos das condições climáticas adversas e é muito valorizada.

 
   
Criacao de Sites Curitiba | Loja Virtual Curitiba - www.bk27.com.br